Ameixas: a sobremesa nas festas populares

Share on Facebook173Share on Google+0Tweet about this on Twitter

O mês de junho, mês dos Santos Populares, é uma das ocasiões especialmente produtiva para a colheita de diversas variedades de fruta e legumes: ameixas, pêssegos, framboesas, espinafres, alfaces e outros.

Enfim, com tanto por onde escolher, a rubrica de hoje é dedicada às ameixas. Apresentam-se aqui as suas credencias que podem justificar a razão da sua inclusão, nas próximas semanas, na nossa alimentação.

As ameixas são ricas em açúcares naturais e fibra solúvel, produzindo uma sensação de saciedade que, por isto, pode ajudar a evitar exageros de ingestão.
A fibra solúvel desempenha um papel vital na digestão: promove a absorção lenta da glicose, o que permite a libertação lenta da insulina, reduzindo assim a probabilidade de aparecimento da diabetes e de obesidade; agarra-se ao colesterol da bílis e como resultado é reabsorvido menos colesterol. Por outro lado, este tipo de fibra é um alimento ótimo para os milhões de bactérias que vivem nos intestinos e com benefícios, no sentido em que contribui para a regularização do trânsito intestinal e assim prevenir a obstipação.

Este fruto é uma boa fonte de cálcio, fósforo e ferro, bem como de ácido málico, substância que facilita e potencia a absorção do ferro.

Cerca de 100 gramas de ameixas frescas (não vale comer o caroço!), falando em linguagem calórica, tem aproximadamente 44 calorias, dependendo obviamente da variedade, mas não vai muito além deste valor médio. Estes são os seus valores nutricionais básicos.

Na constituição molecular das ameixas, existe um fitoquímico da classe dos Triterpenóides, denominado ácido ursólico (também presente nas maçãs e pêras). Que benefícios podemos retirar deste agente na prevenção do cancro?ameixas

O ácido ursólico pode interferir em diversos mecanismos cancerígenos (cell-signaling pathways). Um estudo proveniente do M.D. Anderson Center, no Texas, sugere que os efeitos anticancerígeno e anti-inflamatório do ácido ursólico devem-se à sua capacidade de inibir uma ampla variedade de agentes cancerígenos e inflamatórios responsáveis na ativação do fator de transcrição NF-kB.

Depois da sardinhada, com ou sem broa, isto é, conforme a região onde vai comemorar o S. João e o S. Pedro, coma ameixas frescas à sobremesa.

Referências: Shishodia, S., Majumdar, S., Banerjee, S., & Aggarwal, B. B. (2003). Ursolic Acid Inhibits Nuclear Factor-κB Activation Induced by Carcinogenic Agents through Suppression of IκBα Kinase and p65 Phosphorylation Correlation with Down-Regulation of Cyclooxygenase 2, Matrix Metalloproteinase 9, and Cyclin D1. Cancer Research, 63(15), 4375-4383.
Fonte de imagem: Evan-Amos

Este texto foi publicado pela primeira vez no Stop Cancer Portugal em junho de 2010.

Margarida Vieira

Sobre Margarida Vieira

Margarida Vieira é nutricionista e doutoranda em Estudos da Criança, na Universidade do Minho. Os seus interesses de investigação estão centrados na promoção e comunicação para a saúde e na prevenção do cancro. Autora e fundadora do Stop Cancer Portugal - adotar um estilo de vida saudável.