Tratamento do doente oncológico: “Um chá, por favor”

Share on Facebook522Share on Google+0Tweet about this on Twitter

Chá e cancroAtualmente, a investigação em nutrição na doença oncológica passa, não só mas também, pelo estudo das alterações genéticas e não genéticas que são adquiridas durante a vida do indivíduo e que estão relacionadas com os nutrientes, de forma a atuar-se na prevenção da doença e no tratamento do doente.

O funcionamento dos genes pode ser modificado pelos hábitos de vida e pelo ambiente social em que um indivíduo está inserido, sendo já claro que vários componentes da dieta têm um grande potencial não só na prevenção mas também no tratamento de vários tipos de cancro. Esses compostos podem ser encontrados em bebidas, frutos, vegetais e outros alimentos consumidos pelo Homem.

A planta do chá Camellia sinesis é cultivada em mais de 30 países, sendo o chá consumido em todo o mundo. Após a água, é a bebida mais consumida mundialmente, sendo o consumo médio per capita de, aproximadamente, 120 ml/dia.

Observações epidemiológicas e estudos laboratoriais têm indicado que os polifenóis presentes no chá verde podem reduzir o risco de uma variedade de doenças, incluindo a doença coronária e o cancro. Os componentes químicos mais abundantes nas bebidas de chá verde são as catequinas, as quais incluem: epicatequina, epicatequina-3-galato, epigalocatequina e a epigalocatequina-3-galato (EGCG). Destas, a última corresponde a mais de 50% do total de polifenóis, sendo identificadas como o maior e mais eficaz constituinte do chá verde. Assim, a maioria dos estudos laboratoriais e clínicos dos efeitos do chá verde assentam na EGCG.

A EGCG tem mostrado contribuir para impedir o desenvolvimento das células cancerígenas, bem como para destruí-las, sem afetar as células saudáveis.

Estudos em animais têm mostrado que extratos de chá verde e polifenóis presentes nesta bebida impedem a formação e o desenvolvimento de tumores de diferentes localizações. Por outro lado, experiências laboratoriais com células cancerígenas do pulmão humano e da próstata, têm indicado que os polifenóis oriundos do chá verde têm uma clara atividade anticancerígena.

Além de impedirem o crescimento das células malignas e de contribuírem para a sua destruição, os polifenóis têm um papel no aumento dos efeitos anticancerígenos, através da diminuição da resistência à quimioterapia e na redução de efeitos secundários aos fármacos usados neste tratamento. Também na radioterapia os polifenóis têm mostrado aumentar a eficácia do tratamento, já que contribuem para a diminuição da sua toxicidade.

A recente abordagem aos polifenóis na terapêutica do cancro poderá contribuir, então, para aumentar a eficácia dos tratamentos convencionais, através do ajustamento da dose e dos períodos de tempo necessários para que os resultados desejáveis sejam atingidos. Além disso, poderá facilitar o desenvolvimento de novos compostos derivados dos polifenóis existentes no chá (e não só) com maior eficácia, quer pelo aumento da disponibilidade para absorção pelo organismo, quer por poder ser dirigida especificamente ao órgão a tratar.

 Ali R, Mirza Z, Ashraf GM, Kamal MA, Ansari SA, Damanhouri GA, Abuzenadah AM, Chaudhary AG, Sheikh IA. New anticancer agents: recent developments in tumor therapy. Anticancer Res. 2012; 32(7):2999-3005. Mohan A, Narayanan S, Sethuraman S, Krishnan UM. Combinations of plant polyphenols & anti-cancer molecules: a novel treatment strategy for cancer chemotherapy. Anticancer Agents Med Chem. 2013; 13(2):281-95. Meeran SM, Ahmed A, Tollefsbol TO. Epigenetic targets of bioactive dietary components for cancer prevention and therapy. Clin Epigenet. 2010; 1:101–116. Thakur VS, Gupta K, Gupta S. The Chemopreventive and Chemotherapeutic Potentials of Tea Polyphenols. Curr Pharm Biotechnol. 2012; 13(1): 191–199. Chen SZ, Zhen YS. Molecular targets of tea polyphenols and its roles of anticancer drugs in experimental therapy. Yao Xue Xue Bao. 2013; 48(1):1-7. Liang X, Gao JG, Sun XQ, Zhu LY, Jia Y, Gu CF, Zhang XL, Hou SC. Tea polyphenols inhibits the proliferation of prostate cancer DU145 cells. Zhonghua Nan Ke Xue. 2013;19(6): 495-500.
Fonte da imagem: http://www.fitsugar.com/You-Asked-How-Many-Cups-Green-Tea-Day-1523529

Dina Raquel João

Sobre Dina Raquel João

Dina Raquel João, nutricionista é mestre em nutrição clínica pela Universidade do Porto. Além da atividade de docência, exerce nutrição clínica em regime de clínica privada e dedica-se sobretudo à intervenção nutricional no doente oncológico.