Malva: benefícios do caule à flor

Share on Facebook585Share on Google+0Tweet about this on Twitter

malva_silvestrisCom um inverno à porta, a sua mini horta está mesmo a precisar de uma nova planta, a malva!

A malva é uma herbácea bienal comum,ou seja, é uma planta que pode adquirir a altura e os efeitos de um arbustro e que tem um ciclo biológico de aproximadamente 24 meses. Cresce até 90 cm, tem folhas pilosas, onduladas e com veios profundos, espalmada mas quase circular na base da planta e dentada com longos pés. As suas flores podem ser cor-de-rosa, brancas ou malva com veios púrpura.

A malva está carregadinha de propriedades terapêuticas, embora a maioria dos seus efeitos farmacológicos sejam atribuídos sobretudo às folhas e flores, devido à presença de alguns fitoquímicos como os flavonóides e mucilagens, que vão desde o efeito antioxidante, anticancerígeno, anti inflamatório até ao anti ulceroso. Pode também dar um contributo para a integridade da pele.

Os flavonóides, que se encontram especialmente nas flores da malva são as antocianinas: malvidina, quercetina, kaempferol, estão em maior quantidade. No caule, encontra-se as proteínas, estando em maior quantidade a arabinose.

O efeito antioxidante da malva deve-se essencialmente à presença das vitaminas E (α-tocoferol ) e C (o ácido ascórbico). Por fim, numa análise ao extrato bruto da folha, verificou-se que esta tem na sua constituição uma elevada percentagem de lípidos, mais propriamente ácido α-linoleico. A malva é rica em ácidos gordos essenciais, como o ómega 3 e ómega 6, o que a torna num importante alimento nutracêutico.

Plantar malvas em 5 passos simples

Coloque as suas mãos na terra, sinta-a , cheire-a. Já está? Agora cultive malvas seguindo 5 passos simples:
1. Instale por sementeira direta: adquira as sementes em qualquer loja de produtos agrícolas, ou faça mesmo uma compra online
2. Coloque as sementes, 5 a 30 mm de profundidade na terra a uma distância de aproximadamente 60 cm. Para um metro quadrado de terra, use um total de 2 sementes, no conjunto de vasos recomendamos uma semente em cada vaso
3. A planta necessita de um solo bem drenado e à luz do sol, assim a rega deve ser feita todos os dias, e se necessário de manhã e ao fim da tarde. Se estiver um dia cinzento, basta regar uma vez
4. Tenha o cuidado de ir retirando as ervas daninhas, para não competirem com o alimento da planta
5. A malva deve ser colhida quando já estiver em pleno desenvolvimento, ou seja, em meados de dezembro, janeiro

Quando as suas malvas estiverem prontas para colher, pode dar-lhe diversas utilizações: para aplicação na pele deve dar uma fervura nas folhas e colocar a preparação nos locais afetados ou então escoa a água da fervura e pode lavar a zona da pele afetada. Pode beber chá de malvas, acrescentar às sopas ou mesmo usá-las nas saladas.

Referências: Clevely Andy, Katherine Richmond. Manual completo de Plantas e Ervas Medicinais. Lisboa: Editorial Estampa; Gasparetto JC, Martins CA, Hayashi SS, Otuky MF, Pontarolo R. Ethnobotanical and scientific aspects of Malva sylvestris L :a millennial herbal medicine. J Pharm Pharmacol. 2012 Feb;64(2):172-89.

Catarina Santos

Sobre Catarina Santos

Catarina Santos é licenciada em Dietética pela Escola Superior de Saúde de Leiria. Interessa-se pela área das Tecnologias de Produção Animal e Vegetal e pela Nutrição.