Obesidade e quimioterapia: uma diferença que pode fazer a diferença

Share on Facebook94Share on Google+0Tweet about this on Twitter0

quimioEm doentes oncológicos, a dose de fármacos a administrar em quimioterapia baseia-se, tradicionalmente, na área de superfície corporal. Apesar de vários estudos confirmarem a segurança e a importância de uma dosagem de quimioterapia baseada no peso total e atual do doente, até 40% dos doentes oncológicos com excesso de peso e obesidade continuam a receber doses limitadas de quimioterapia. Além disso, verifica-se uma variação de doses entre estes indivíduos, sugerindo práticas incertas entre médicos acerca da determinação da dose ótima.

Existe evidência convincente que reduções na dose poderão comprometer o prognóstico, pelo que vários trabalhos têm sugerido linhas orientadoras para cálculo das doses de fármacos a administrar em doentes oncológicos obesos.

Fique atento à nossa rúbrica “Melhor Nutrição, Mais Vida“, pois contamos desenvolver este assunto brevemente.

Bibliografia: Griggs J, Mangu P, Anderson H, Balaban E, Dignam J, Hryniuk W, Morrison V, Pini T, Runowicz C, Rosner G, Shayne M, Sparreboom A, Sucheston L, Lyman G. Appropriate Chemotherapy Dosing for Obese Adult Patients With Cancer: American Society of Clinical Oncology Clinical Practice Guideline. American Society of Clinical Oncology. 2012.

Dina Raquel João

Sobre Dina Raquel João

Dina Raquel João, nutricionista é mestre em nutrição clínica pela Universidade do Porto. Além da atividade de docência, exerce nutrição clínica em regime de clínica privada e dedica-se sobretudo à intervenção nutricional no doente oncológico.