Os perigos da automedicação

automedicação
Os perigos da automedicação

Quem nunca tomou um medicamento após uma dor de cabeça, dor abdominal, febre ou até por alterações intestinais como diarreia ou obstipação?

Quem nunca pediu a opinião de uma pessoa conhecida ou amiga acerca de qual o medicamento que deveria tomar perante determinado sintoma?

A impossibilidade de acesso de grande parte da população ao atendimento médico por questões financeiras, a dificuldade de deslocação dos habitantes de algumas aldeias, a dependência física ou doença mental ou até a publicidade a medicamentos na televisão e revistas, são algumas das causas que levam muitas pessoas a automedicarem-se.

A automedicação, muitas vezes entendida como uma solução para o alívio imediato de determinado sintoma, pode tornar-se um problema com consequências muito graves, nomeadamente: contribuir para erros de diagnóstico; agravamento de uma doença, uma vez que pode esconder determinados sintomas; anular ou potenciar a ação de medicamentos em uso; facilitar o aumento da resistência de microrganismos, nas situações de antibioterapia; intoxicações; dependências e em situações mais graves reações alérgicas que podem levar o individuo à morte.

Assim, para que a medicação não se torne num inimigo e tenha o máximo de eficácia, é importante que não se use os medicamentos de forma indiscriminada e irrefletida. A prescrição médica, a informação do farmacêutico ou do enfermeiro são muito importantes para a preservação da saúde e prevenção da doença.

Ana Paula Figueiredo

Ana Paula Figueiredo é licenciada em Enfermagem e especialista em Saúde Mental e Psiquiatria pela Escola Superior de Enfermagem do Porto. Mestre em Educação na área de especialização em Educação para a Saúde pela Universidade do Minho. Atualmente exerce a sua atividade profissional na á (...)