Cancro como experiência de “Crescimento”

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter

Uma grande parte dos doentes com cancro  nota  mudanças positivas após a doença . Estas mudanças  foram identificadas em 50% a 90% nos doentes com cancro da mama, 76% com cancro do testículo e  em 60% a 95% dos sobreviventes com cancro na infância ou na adolescência.

As alterações positivas  identificadas são de três tipos:

  • mudanças em si mesmo – Exemplo: sinto-me mais forte; tenho mais experiência e capacidade para enfrentar desafios futuros;
  • mudanças nas relações interpessoais – Exemplo: os vínculos com outras pessoas aumentam e fortalecem, aumenta a necessidade de partilhar e expressar sentimentos;
  • mudanças na espiritualidade e filosofia de vida – Exemplo: aprecia-se muito mais o que se tem, valoriza-se mais os pequenos detalhes, maior facilidade em discernir entre o que é importante e o acessório e mudança na escala de valores.

O cancro confronta aqueles que sofrem  com a mortalidade. A eventualidade de se poder morrer,  faz com que muitos doentes reflectiam sobre o sentido da vida, o seu propósito em relação ao mundo e as suas crenças. Para muitos estas considerações existenciais provocam uma maior apreciação da  vida e um sentido mais claro e profundo da espiritualidade.

O cancro pode ser uma doença profundamente stressante, perturbadora e angustiante, mas também pode levar as pessoas a reexaminar as suas prioridades, as suas relações e a experimentar uma mudança e crescimento pessoal.

Referência Bibliográfica: Ochoa, C., E. C. Sumalla, et al. (2010). “Psicoterapia positiva grupal en cáncer. Hacia una atentión psicosocial integral del superviviente de cáncer.” Psicooncología 7 (1): 7-34.

André Louro

Sobre André Louro

André Louro é especializado na área da psicologia da saúde. Doutor pela Universidade Autónoma de Barcelona. Colaborou no Stop Cancer Portugal até Abril de 2013 com a rubrica "Espaço Psi".