Aprender sozinho

Share on Facebook46Share on Google+0Tweet about this on Twitter

Educar um filho é talvez uma das tarefas mais difíceis e desafiantes de uma pessoa.

As crianças e jovens são todas diferentes respondendo de forma distinta aos vários estímulos que lhes vão surgindo.

pais-e-filhosActualmente são muitas as famílias onde pai e mãe trabalham, sendo assim obrigados a deixar os seus filhos nos infantários, escolas, ATL ou mesmo em casa sozinhos. O nível de exigência a que os pais estão sujeitos hoje em dia é muito grande, uma vez que a sociedade exige sucesso e as empresas exigem muito trabalho e competência.

No entanto, no meio de tudo isto encontra-se a família que também pede tempo e atenção. Quantos serão os pais que após a saída do seu trabalho sentem que não têm tempo para dedicar aos filhos? Quantos são os que levam trabalho para casa? Quantos são os que se vão dedicar às tarefas domésticas?

Serão estas as situações que “roubam” o tempo das brincadeiras, da correcção dos trabalhos de casa, do esclarecimento de uma pequena dúvida ou de uma simples conversa aparentemente banal?

Talvez.

Tem-se verificado a existência de pouca proximidade dentro dos elementos da família. Frequentemente as dúvidas surgem na cabeça das crianças e vão permanecendo sem resposta devido a esta falta de tempo.

Resta-lhes aprender sozinhos. Com os amigos, muitas vezes da mesma idade e com problemas idênticos ou então através da pesquisa na internet sem o controlo dos pais. Mas será com os amigos e na internet que estas crianças conseguem a resposta mais adequada para as suas dúvidas?

Todos nós sabemos que a família é o principal pilar no desenvolvimento saudável das crianças e jovens, é fundamental que os pais partilhem tempo de qualidade com os seus filhos e que os envolvam nas suas actividades de vida. Por exemplo, as tarefas domésticas podem tornar-se numa excelente ferramenta para a coesão familiar. O envolvimento e a partilha destas responsabilidades são muito importantes para todos os elementos da família, proporcionando bons momentos de conversa (podendo-se esclarecer dúvidas), ensinando a fazer (com apoio e responsabilidade) e dando às crianças um reforço na sua auto-estima.

Ana Paula Figueiredo

Sobre Ana Paula Figueiredo

Ana Paula Figueiredo é enfermeira especialista em Saúde Mental e Psiquiatria pela Escola Superior de Enfermagem do Porto. Exerce a sua atividade profissional na área da oncologia, no Porto. É autora de histórias infantis na área da educação para a saúde.