Prevenir? Yes, we can

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter

prevenir

A Eslovénia, durante a sua Presidência do Conselho da União Europeia no primeiro semestre de 2008, fomentou o debate sobre o cancro ao nível europeu. Para tal organizou debates e workshops com os especialistas na área, que elaboraram propostas tendo por base os 4 pilares do tratamento do cancro: a prevenção primária, a prevenção secundária (rastreios), o cuidado centrado no paciente e a investigação.

Qual o objectivo dessas medidas? Diminuir a incidência de cancro na União Europeia (UE). A UE alberga apenas 12,5% da população mundial, no entanto, de todos os cancros diagnosticados mundialmente, 25% correspondem a pacientes de países da UE. As previsões para as próximas décadas são de um aumento de casos de cancro e uma sobrecarga dos serviços de saúde, que poderão não estar preparados para esse aumento.

Voltando aos 4 pilares, os últimos 3 estão mais dependentes de decisões dos Governantes, do trabalho de associações de utilidade pública e investigadores… Já o primeiro, a prevenção primária, depende unicamente de cada um de nós, dos nossos estilos de vida, das nossas decisões enquanto consumidores. Se acha que prevenir o cancro em geral é complicado, veja antes as orientações dos especialistas:

– Não fume;
– Evite o excesso de peso;
– Pratique actividades físicas todos os dias;
– Aumente a ingestão e a variedade de frutas e legumes, diminua o consumo de gorduras de origem animal;
– Modere o consumo de bebidas alcoólicas;
– Diminua a exposição aos raios solares, especialmente as crianças, adolescentes e pessoas com pele com tendência a “queimar” mesmo com protecção.

Nestes últimos dias muito se falou da cimeira da NATO em Portugal e do Presidente Barack Obama. Na sua candidatura a frase “Yes, we can” ficou célebre e que se aplica na íntegra às 6 orientações. Prevenir? Yes, we can!

Fonte: Institute of Public Health of the Republic of Slovenia – Fighting against cancer today : a policy summary
Miguel Oliveira

Sobre Miguel Oliveira

Miguel Oliveira é licenciado em Enfermagem pela Escola Superior de Enfermagem de Calouste Gulbenkian – Universidade do Minho (2007). Pós-Graduado em Neuropsicologia de Intervenção pelo CRIAP/Associação Portuguesa de Neuropsicologia (2010). Atualmente exerce a profissão no Reino Unido.