Celebração do dia Mundial da Saúde Mental

Share on Facebook2Share on Google+0Tweet about this on Twitter

No dia 10 de Outubro celebrou-se o dia mundial da saúde mental. A propósito da comemoração deste dia, a Federação Mundial de Saúde Mental, publicou um documento com o nome “Mental Health and Chronic Physical lllness – the need for continued and integrated care” (ver aqui).

Este documento realça a importância da associação bidireccional entre a saúde mental e as doenças crónicas: a diabetes, o cancro, as doenças respiratórias, a obesidade e as doenças cardiovasculares e ainda a incidência dos índices de mortalidade e a produtividade dos países. Realiza uma revisão detalhada das associações de determinadas perturbações mentais (ansiedade e depressão) e a saúde física crónica. Chama atenção dos profissionais de saúde para a importância da integração da saúde física e psicológica de cada doente para optimização e eficácia terapêutica.

Saúde mental: alguns pontos importantes

A Federação Mundial de Saúde informa alguns aspectos a ter em conta:

– Cerca de metade dos pacientes com cancro em fase terminal ou avançado sofrem de saúde mental. Especificamente, de ansiedade, de depressão e de inadaptação ao cancro. Destes, menos de metade não recebem qualquer tratamento para a saúde mental.

– As taxas de mortalidade são 25% superiores em doentes com cancro que se sentem deprimidos e 39% superiores em doentes que receberam um diagnóstico de depressão, mas sem a realização de tratamento.

– A depressão é uma doença debilitante que afecta cerca de 15% a 25% dos doentes com cancro. Afecta homens e mulheres de igual forma.

– A relação entre cancro e depressão é complexa. A depressão pode ser desencadeada pelo diagnóstico, pelo tratamento, por outros assuntos relacionados com o cancro ou pelo impacto causado pela doença na vida da pessoa. Pode ocorrer por acaso ou estar relacionada com outros eventos difíceis, passados ou presentes.

– O cancro da mama e do pulmão são a segunda causa de morte em pessoas com esquizofrenia, cujo risco é 50% superior ao da população em geral.

– O reconhecimento e o tratamento dos problemas associados à saúde mental em doentes com cancro podem melhorar a sua qualidade de vida e das suas famílias, bem como, ajuda-los a fazer melhor uso do tempo que possuem.

Com este documento a Federação Mundial de Saúde Mental vem alertar para a necessidade de uma “política de acção” urgente para reduzir o impacto social e económico que a saúde mental acarreta aos doentes crónicos.

http://www.wfmh.org/2010world_mental_health_day.htm

André Louro

Sobre André Louro

André Louro é especializado na área da psicologia da saúde. Doutor pela Universidade Autónoma de Barcelona. Colaborou no Stop Cancer Portugal até Abril de 2013 com a rubrica "Espaço Psi".