Medida DecisIVA

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter

Poupe dinheiro

Um “murro” no estômago acompanhado de garganta seca foi o que deve ter sentido, tal como eu, na última quarta-feira, quando assistiu ao anúncio do aumento do IVA de 21% para 23%.

É muito natural que este tipo de murro paralise o diafragma. Não se inspira ou expira o ar; pára o processo respiratório associado a outro reflexo, absolutamente normal nestas circunstâncias: engolir em seco e, de imediato, sensação de boca seca. Todos sabemos que as coisas grandes custam a engolir se não forem cuidadosamente mastigadas. Se 21% de IVA já era difícil de engolir, como conseguir agora com 23%?

Talvez seja altura de colocar definitivamente em prática aquilo que já sabe, mas provavelmente ainda não faz: decidir fazer uma alimentação saudável para toda a família!

Tomar esta medida agora pode ser duplamente favorável: uma alimentação mais cuidada, mas também mais económica.

A proposta é comprar alimentos sobretudo frescos e simples, bens alimentares essenciais, com grande variedade de origem vegetal, conjugando-os na sua confecção sempre de uma forma simples. Esta é uma alimentação comprovadamente benéfica para qualquer um e em qualquer idade.

Faça frente ao IVA com uma alimentação saudável

Cumprindo estes passos vai ver que foge ao consumo de muitos produtos alimentares perfeitamente dispensáveis que, na sua maioria, não são mais que farinha e açúcar acompanhados dos 23% do IVA, embalados em pacotes chamativos. Não é com produtos deste tipo que dá a melhor alimentação à sua família, mas com alimentos considerados bens essenciais que têm uma taxa de IVA incrivelmente mais baixa.

A água, o leite e o iogurte são os líquidos necessários para hidratar e nutrir ao longo do dia nas diferentes refeições. Não sofrem manipulações complexas. Leite é leite, água é água, não tem mais nada associado, e o iogurte, se quiser, pode fazê-lo a partir do leite e ao seu gosto. Tão simples e tão saudável. E só com 6% de IVA.

O mesmo se passa com a imensa variedade de frutas, de vegetais, o pão fresco do dia, o peixe e, claro, a carne, mas também as leguminosas, como o feijão, o grão, cada vez mais ignoradas, tão ricas em proteínas para completar a nossa alimentação. Todos estes alimentos são bens essenciais e não fazem parte do grupo dos 23 % de IVA. Enfrente a crise com alimentos 100 % saudáveis e tome uma medida decisIVA de 6%!

Margarida Vieira

Sobre Margarida Vieira

Margarida Vieira é nutricionista e doutorada em Estudos da Criança na especialidade de saúde infantil pela Universidade do Minho. Os seus interesses de investigação estão centrados na promoção e comunicação para a saúde e na prevenção do cancro. Autora e fundadora do Stop Cancer Portugal - adotar um estilo de vida saudável.