Ganhar (defesas) a feijões

 

Tipos-de-feijaoFrade, preto, vermelho, branco, manteiga, qualquer uma das variedades é feijão, uma leguminosa com características nutricionais únicas, que deve estar presente todos os dias em pelo menos uma das refeições: ao almoço ou ao jantar.

Pode inseri-los na sopa, como complemento básico para acompanhar carnes, peixes, moluscos, mariscos ou então incluí-los em saladas e outros pratos de vegetais.

O feijão é um alimento extremamente concentrado, mas é 100% natural. Contém pouca água mas, em contrapartida, tem um arsenal de nutrientes indispensáveis para que a alimentação diária seja completa.

É uma excelente fonte de proteína para a formação de novos tecidos e ajuda a manter os níveis de energia e vitalidade. Com uma quantidade de fibra significativa (25 gramas em 100 de feijão) permite o bom funcionamento do tubo digestivo, facilita a digestão e ajuda a manter o colesterol baixo.

É rico em vitaminas do complexo B (principalmente B1,B3,B5), em manganésio, cobre, ferro e potássio, mas as suas quantidades variam com o tipo de feijão.

Os estudos bioquímicos demonstram que o conteúdo em fitoquímicos, no feijão, está dependente da sua variedade. Assim, podem conter flavonóides, flavonóis, antocianidinas, isoflavonas e alguns ácidos fenólicos em proporções diferentes, conforme a variedade. No entanto, os ácidos fenólicos estão presentes em todas as variedades de feijão representados pela família dos ácidos hidroxicinámicos. São eles o ácido ferúlico, p-cumárico, cafeico e sinápico.

Já há evidência científica dos efeitos destes ácidos na defesa do organismo contra a carcinogénese, além da actividade anti-fungicida, anti-bacteriana, anti-inflamatória e antioxidante.

Se não gosta de perder, nem a feijões, então ganhe com eles defesas para ser saudável.

FA, Graça MES. Tabela da Composição dos Alimentos Portugueses. 1963; Kuenzig, W., Chau, J., Norkus, E., Holowaschenko, H., Newmark, H., Mergens, W., & Conney, A. H. (1984). Caffeic and ferulic acid as blockers of nitrosamine formation. Carcinogenesis, 5(3), 309-313.

Margarida Vieira

Margarida Vieira, nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição (FCNAUP-1991), mestre em Nutrição Clínica (ISCSEM-2008). Doutorada em Estudos da Criança, na especialidade de saúde infantil pela Universidade do Minho. Membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas com a cédula profissional n (...)