A Lógica da Batata

Batata

Uma teoria começa com uma lógica e que vai sendo desenvolvida para explicar um fenómeno que, por sua vez, deve ser comprovado cientificamente. Neste caso e até hoje, a ideia de que a batata engorda é um preconceito sem qualquer fundamentação. Podemos mesmo dividir os portugueses em dois grupos: o grupo dos que comem sopa sem batata e o grupo dos que não acreditam nisso, isto é, dos que não vivem sem a batata na sopa ou a acompanhar uma boa sardinhada.

A batata é um vegetal amiláceo (rico em amidos) pertencendo ao grupo dos tubérculos. Muito versátil na sua confecção, é um óptimo alimento quando se prepara de forma saudável: pode ser cozida ou assada, são duas boas opções. Pode também ser frita, preferencialmente em casa e com um óleo virgem mas, nesta versão, nunca deve ser uma opção frequente ou diária, pela gordura que absorve depois de frita. As batatas assadas com casca, as “batatas a murro” são nutricionalmente superiores. É na casca que se encontra a maior parte dos nutrientes, como é o caso do potássio e da fibra. Cozidas ou assadas com casca, as batatas contêm aproximadamente 85 calorias por 100 gramas (100 gramas equivale à quantidade de batata que ocupe a palma de uma mão).

Particularmente ricas em vitamina C, as batatas quando são novas têm-na ainda mais. São também uma boa fonte de várias vitaminas do complexo B, tais como a vitamina B1, a B3 e a B6, vitamina que reforça as defesas, como é exemplo a ajuda que dá aos leucócitos na limpeza dos tecidos, através da remoção das células mortas.

Estão presentes muitos mais nutrientes como os folatos, o cobre, o ferro e ainda o potássio, conseguindo mesmo ultrapassar a tão falada banana pelo seu conteúdo rico neste mineral (a batata oferece o dobro do potássio).

Nos últimos anos foram identificados alguns fitoquímicos, presentes em várias espécies de batatas e em quantidades significativas. São exemplos os compostos polifenólicos e as antocianinas, como indica um estudo publicado na revista Carcinogenesis. Os efeitos anticancerígenos detectados pelos ácidos fenólicos incluem: a supressão da proliferação do melanoma (HO-1-human melanoma cells) e do glioblastoma (GBM-18), a inibição do crescimento das células do cancro da próstata (PC-3, androgen independent e LNCaP, androgen independent) e os efeitos pró-apoptóticos. As antocianidinas exibem efeitos de antiproliferação e de indução da apoptose no adenocarcinoma gástrico (HT-29) e nas células Caco-2 do cancro do cólon.

Parece que uma desvantagem da batata é a de promover uma subida muito rápida da glicose no sangue, tal como acontece com outros hidratos de carbono ou amiláceos. Por esta razão, há quem a exclua da ementa.

Como manda a alimentação saudável, devemos ingerir quantidades moderadas deste tipo de alimentos e não fazer uma restrição completa, a bem da qualidade e da sua diversidade. Assim, quando comer batata, não se esqueça que deve acompanhar com uma salada fresca ou outros vegetais. Sabe-se, segundo pesquisas, que a digestão da batata é mais demorada e a subida rápida da glicose não se aplica quando estas são ingeridas numa refeição com outros alimentos de origem vegetal.

Depois destas explicações, fica o conselho: se gosta de sopa, ponha batata numa quantidade equilibrada tal como faz para os outros legumes. Comer batatas tem uma lógica, a saudável.

Margarida Vieira

Margarida Vieira, nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição (FCNAUP-1991), mestre em Nutrição Clínica (ISCSEM-2008). Doutorada em Estudos da Criança, na especialidade de saúde infantil pela Universidade do Minho. Membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas com a cédula profissional n (...)